É, de facto, possível desactivar o novo sistema de vigilância "eCall"?


#1

Olá, a todos.

Tendo eu descoberto o que expus na seguinte colocação

https://blackfernando.blogs.sapo.pt/can-the-new-eu-wide-ecall-surveillance-143810

venho também comunicar a todos que consegui iniciar uma discussão sobre este assunto no fórum não oficial de uma distribuição de GNU/Linux, chamada Debian (http://forums.debian.net/viewtopic.php?f=3&t=138031) e também pedir a todos que, se souberem de mais alguma coisa sobre este assunto, que a partilhem.


#2

(Do meu lado, já enviei uma carta electrónica a um stand de vendas local, a perguntar se podem eles desactivar tal componente e explicar-me especificamente como o fazem - mas, obviamente por ser este um novo procedimento que nunca ninguém pediu sequer para fazer, reenviaram eles tal carta ao representante nacional da marca em causa e estou eu agora à espera de uma resposta do último.)


#3

Nota: Eu queria ter copiado-colado o “artigo” em causa, na colocação original que fiz nesta cadeia de comentários - mas, tendo tal “artigo” várias hiperligações nas referências (que apontam para as fontes das minhas afirmações) e estando eu limitado (como novo utilizador deste fórum) a poder colocar apenas duas hiperligações, tive de publicar a minha informação da maneira que o fiz…


#4

E, para quem duvidar de que, em Portugal, este sistema irá ser obviamente usado para efectuar escutas e monitorizações ilegais, deixo aqui a seguinte notícia:


#5

@BlackFerdyPT podes ver aqui neste site https://www.bmw.pt/pt/topics/fascination-bmw/connected-drive/terms-conditions.html.

Fica descansado que da para desactivar :slight_smile:


#6

Olá outra vez, Leandro.

Obrigado pela sua hiperligação. Mas, infelizmente, a informação que está nela presente está desactualizada - pois, a inclusão do “eCall” passou a ser obrigatória desde Abril último (e não apenas “opcional”).

E, sim, pelo que me estive a informar, a norma europeia que rege a inclusão desta nova componente diz que podemos “desactivá-lo”. A minha dúvida é (tal como digo nas entrelinhas do “artigo” que escrevi em inglês): “Será que é de modo efectivo, que não possibilite mesmo escutas e monitorizações ilegais?”

Pois (tal como é dito onde aponto para, na segunda referência desse “artigo”) os normais telemóveis, mesmo quando supostamente os desligamos, carregando no respectivo botão, não ficam realmente desligados: https://www.youtube.com/watch?v=0G1fNjK9SXg


#7

@BlackFerdyPT Isso nunca saberemos a resposta, a nao ser que aparecam os primeiros casos.

No entanto acho que devemos estar tranquilos e atentos a esta situacao.


#8

A existência de software proprietário e não escrutinável nos carros é uma preocupação real[1], e os exemplos desse software a fazer algo diferente do que seria suposto, infelizmente, abundam[2]. A preocupação existe, e tem sido endereçada pela comunidade do software livre. Olhe-se para o exemplo da descrição do LibrePlanet 2018[3]:

LibrePlanet’s 10th anniversary theme is “Freedom. Embedded.” Consider: embedded systems are everywhere, in cars, digital watches, traffic lights, and even within our bodies. Right now, proprietary software is everywhere, its sinister aspects embedded in software, digital devices, and our lives. We’ve come to expect that our phones monitor our activity and share that data with big companies, governments enforce digital restrictions management (DRM), and even our activity on social Web sites is out of our control.

A quem partilhar destas preocupações, sugiro que fortaleça as iniciativas das comunidades de software livre que se têm preocupado com este tipo de questões, seja a nível internacional com a FSF[4], a nível europeu com a FSFE[5], ou a nível nacional com a ANSOL[6].

[1] https://www.fsf.org/bulletin/2016/fall/free-software-at-the-wheel
[2] https://www.gnu.org/proprietary/malware-cars.en.html
[3] https://libreplanet.org/2018/
[4] https://www.fsf.org/
[5] https://fsfe.org/
[6] https://ansol.org/

PS: um vídeo talvez interessante (mas que ainda não vi) sobre o assunto, será este: https://media.libreplanet.org/u/libreplanet/m/freedom-embedded-vehicles/


#9

marado:

A existência de software proprietário e não escrutinável nos carros é uma preocupação real[1], e os exemplos desse software a fazer algo diferente do que seria suposto, infelizmente, abundam[2].

E, não sabe você o pior da história…

Marcos Marado e toda a gente: por favor, vejam o seguinte vídeo, a partir da marca dos 29m:


#10

Desculpem desenterrar esta conversa de há uns meses atrás, mas tenho algo relacionado a adicionar.

Vi há pouco tempo esta colecção de excertos de um ex-funcionário da Tesla acerca do software que corre nos carros produzidos pela firma: https://twitter.com/atomicthumbs/status/1032939617404645376
É um autêntico show de horrores de pôr os cabelos em pé.

Os automóveis hoje em dia são plataformas de execução de código, que por acaso até têm rodas…


#11

Pois são… E, sem necessidade alguma.

Os automóveis funcionavam (muito) bem, antes de lhes terem acrescentado este tipo de hardware e software.

Ou seja, este tipo de inovações não fazem falta alguma - e não podem ser propriamente consideradas “melhoramentos” - pois, reduzem drasticamente a segurança dos veículos. (E, pessoalmente, a única e verdadeira explicação que encontro para as mesmas, é para que proporcionem estas um controlo exterior dos veículos, da parte de quem lá coloca estas componentes.)

Dantes, para controlar um carro à distância, era preciso um enorme trabalho - que, aliás, dava imenso nas vistas, quando feito contra a vontade do proprietário.

Agora, a partir do momento em que temos um computador a controlar o carro, tudo o que é preciso para controlar tal carro, é criar uma “porta dos fundos” nesse mesmo computador - e está o carro sob o controlo de quem usa essa mesma “porta dos fundos”.

(E, isto, se não vier uma já incluída por norma no carro…)


#12



Imaginem que um dia descobrem que o poder económico-político estabelecido é imensamente corrupto e decidem que querem denunciá-lo…

(Do tipo, tal como começa agora a ser desvendado, que os ministros que temos recebem dinheiro dos banqueiros e restantes grandes interesses económicos - incluindo os principais fabricantes de carros - para cumprir ordens dos últimos, que levam até à morte de pessoas.)

Agora, imaginem que já todos os carros que existem são controlados por computadores…


#13

A conversa não está, de modo algum, encerrada…

Pois, só poderá tal coisa ocorrer, se houver quem descubra uma solução para este novo problema.

Da minha parte, posso acrescentar que,

Escrevi há já (quase) 3 meses para um stand de vendas local a perguntar por isto, relativamente a um modelo de automóvel específico, foi a minha mensagem reencaminhada para o representante nacional da marca em causa e não recebi mais nenhuma resposta desde então.

No país que temos (onde não existe praticamente activismo verdadeiro e onde ninguém quer lutar contra o poder estabelecido - e, por isso, nada tem a temer do mesmo) não esperava outra coisa (e parto também do princípio de que as minhas perguntas, a expressar preocupação com privacidade, sejam encaradas com estranheza).

E, penso que só se houver muita gente a expressar também esta preocupação e a exigir explicações da parte dos fabricantes de automóveis, é que seja possível obter respostas, sobre como se pode então (supostamente) desactivar este novo sistema de vigilância “eCall”.


#14